Vaticano chama filme Noé de oportunidade perdida

14 ABR 2014
14 de Abril de 2014
O Vaticano criticou o filme “Noé” por meio do jornal oficial “Avvenire” dizendo que o longa dirigido por Darren Aronofsky é uma oportunidade perdida.

A crítica é assinada por Mimmo Muolo que definiu a história como uma “forma ecológica e vagamente ‘new age’, transformando o conto bíblico em uma chance desperdiçada”.

Muolo também falou que o personagem principal é um “Noé sem Deus”. No texto o crítico do Vaticano diz também que a produção foi “estranha” e “desconcertante”.

O único ponto positivo seria o visual que foi comparado com os filmes “Gladiador” e as séries “Harry Potter” e “Senhor dos Anéis”.

Em março Aronofsky, o produtor Scott Franklin e o vice-presidente da Paramount, Rob Moore, estiveram em Roma para promover no longa. Na época eles tentaram um encontro com o Papa Francisco para que ele assistisse ao filme, mas o encontro não aconteceu.

O porta-voz da Igreja Católica, Federico Lombardi, foi questionado sobre esse episódio e disse que não teve conhecimento sobre este pedido.

Críticas em todo o mundo

Não foi só o Vaticano que ficou descontente com o filme “Noé”, algumas instituições católicas americanas se irritaram com o longa pela falta de base bíblica.

No Brasil que se manifestou de forma negativa sobre o filme foi o bispo Marcello Brayner, da Igreja Universal do Reino de Deus, que listou diversos erros teológicos que a produção da Paramounts deixou passar.

Os cantores evangélicos também se decepcionaram com o que viram nas telonas, Fernanda Brum, Rodolfo Abrantes e o pastor Antonio Cirilo também criticaram o filme e desaconselharam seus seguidores a assistirem.
Voltar