CONVERSÃO, MINISTÉRIO E PERSEGUIÇÃO DE UM EX-MUÇULMANO

14 JUN 2020
14 de Junho de 2020
Você vai conhecer hoje a história de Samson, um cristãos ex-muçulmano da Ásia Central. Vai ver como Deus manifesta seu poder de várias formas para salvar vidas em regiões de maioria islâmica. É disso que o Domingo da Igreja Perseguida (DIP) 2020 trata – cristãos ex-muçulmanos, aqueles que foram alcançados mesmo vivendo em contexto de opressão islâmica. Eles precisam ser apoiados e fortalecidos para prosseguir na jornada, assim com Samson.

Samson é um homem na faixa dos 50 anos que vive na Ásia Central. Ele conta que, como muçulmano, quando via um cristão, atravessava para o outro lado da rua. Mas ele tinha um amigo cristão que pregava para ele, dizendo que Jesus era o Salvador. Mas ele não acreditava que um homem pudesse ser o salvador; para ele, Jesus era apenas um profeta. Durante um ano, eles se encontraram duas vezes ao mês para discutir sobre religião.

Todos os dias, Samson andava 40 minutos para chegar até o trabalho em uma cidade remota na Ásia Central. Um dia, ao iniciar a caminhada, ele ouviu uma voz chamar seu nome três vezes e dizer: “Por que você não me aceita como Deus e Salvador?”. Samson respondeu: “Os cristãos estão enganados; chamam você de Deus, mas você não é Deus”. Então a voz disse: “Você acredita em Deus?”.  Ele respondeu que sim e a voz lhe disse: “Um dia você o encontrará. O que você terá feito por ele? Você ora cinco vezes por dia, mas precisa orar a mim. Pare agora e ore a mim. Você acredita que eu sou onipresente? Qual é maior: a casa ou a cadeira?”. Samson respondeu que era a casa. Então a voz disse: “A terra e o céu são a cadeira e a casa sou eu, porque a terra é o suporte dos meus pés e o céu é o lugar do meu trono. Eu sou tão maior, tão maior, então por que você escolhe Alá? Eu sou um Deus de amor. Eu vim e morri por você”.

A conversa durou 40 minutos e Samson percebeu: “Ele é o único que morreu por mim” e ali na rua caiu de joelhos e pediu a Jesus que entrasse em sua vida. Ele conta que naquele exato momento ficou cheio de alegria e poder. Ele não sabia o que fazer a seguir e pensou: “Talvez eu deva ir à igreja, mas eu estava com medo e pensei que talvez devesse ir à mesquita e contar que Jesus é Deus e Salvador”. Mas ele sabia que se fizesse isso, eles o apedrejariam e o matariam. Samson recorda: “Não consegui entender minha cabeça, mas no meu coração sabia que tinha tido um encontro com Deus, mas estava com medo, por isso continuei indo à mesquita, mas orava em nome de Jesus”.

Um testemunho que trouxe consequências

Um pouco depois desse encontro, Samson adoeceu – tinha sangue na urina e ficou literalmente à beira da morte. Um dia, lendo o Novo Testamento, Samson orou: “Senhor, eu não segui você, eu deveria ter feito muitas coisas por você, mas estava com medo. Eu tenho medo”. Então ele pediu a cura a Jesus e sentiu como se alguém o estivesse abraçando. “Caí de joelhos e ele disse: ‘O que você vê?’. ‘Vejo rostos de centenas de milhares de pessoas’. Ele disse: ‘Eu os amo, eu quero que eles voltem para mim. Você entende o amor que eu tenho por você? Eu os amo da mesma forma. Quero que alguém lhes diga que eu morri por eles e os ame’. Desde então, tenho compartilhado o evangelho”, conta Samson.

Samson começou a andar de vila em vila, dizendo às pessoas que há apenas um caminho, Jesus Cristo. Ele também  compartilhava o evangelho na mesquita. Um dia ele estava andando na estrada e um miliciano islâmico com uma faca e uma arma vinha em sua direção. Isso foi durante a guerra civil na Ásia Central e as tensões estavam em alta. Samson não queria compartilhar o evangelho com ele, mas o Senhor lhe disse: “Diga a ele que eu o amo e que morri por ele”. Ele obedeceu e ele e o miliciano começaram a chorar, e 20 minutos depois, o homem entregou a vida ao Senhor. Ele disse a Samson: “Eu estava procurando por um Deus que me amasse”.

Samson disse que continuou a andar e a pregar e que certa vez foi espancado quase até a morte, mas não se deteve nesse ponto; simplesmente o encobriu, como se tudo fosse parte de seguir a Jesus. Ele então contou que depois disso seus pais, parentes e mulás locais se reuniram para descobrir o que fazer com ele e decidiram que Samson e sua família (esposa e dois filhos) teriam que sair. Eles lhe disseram: “Se você escolher ser cristão, não terá nada. Escolha o islã e aqui será sua casa”. Samson foi expulso e amaldiçoado pelo pai, mas respondeu: “Hoje você não está me afastando, está me enviando para o meu ministério”.

Mesmo assim, Samson comprometeu-se a ir à casa dos pais uma vez por semana para fazer qualquer limpeza ou trabalho manual de que precisassem pelos doze meses seguintes. Ele fez isso e eles não lhe davam comida nem água por seus esforços e todos os dias a família (incluindo irmãs e irmãos) o ridicularizava, mas ele continuou indo. Após um ano dessa rotina, sua irmã entregou a vida a Cristo e depois de um ano e meio, seu irmão aceitou Jesus. Samson nos disse que seus pais ainda não são cristãos, mas agora o protegem em vez de maltratá-lo.


fonte: portas abertas
Voltar